BMJ

Câmbio faz exportação ser 5% mais rentável

By 5 de fevereiro de 2013No Comments

Por De São Paulo

A desvalorização do real em relação ao dólar contribuiu para elevar em 5% a taxa
de rentabilidade das exportações brasileiras no ano passado. O cálculo é da
Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex). Exceto o setor de
extração de minerais, todos os demais 28 segmentos acompanhados pela Funcex
registraram ganho de rentabilidade no ano passado.

Entre os setores que tiveram maior ganho de retorno com as exportações estão
máquinas, aparelhos e materiais elétricos (15%), máquinas e equipamentos
(14,9%) e produtos de metal (13,7%). Para 2013, porém, diz Rodrigo Branco,
economista da Funcex, não são esperadas novas desvalorizações importantes da moeda
nacional. A variação cambial, explica, teve em 2012 um efeito mais uniforme e
pulverizado na rentabilidade das exportações. Neste ano, porém, ele estima que
o dólar deve bater num teto de R$ 2,05, com desvalorização de 2% a 3%,
considerando a taxa cambial média em relação ao ano passado. Em 2012, a
desvalorização média foi de 17%.

A expectativa de um nível menor de desvalorização para 2013, diz Branco, vem do
comportamento recente do Banco Central, que sinaliza a tentativa de encontrar
uma taxa de equilíbrio que segure uma aceleração maior da inflação e que, ao
mesmo tempo, não retire tanto o ganho de competitividade dado ao exportador por
um real mais desvalorizado.

Os preços de exportação, porém, argumenta o economista da Funcex, poderão
apresentar melhora ao longo do ano se as expectativas de recuperação econômica
dos principais parceiros comerciais do Brasil se concretizarem. O economista
estima crescimento de perto de 8% para China e entre 2,0% e 2,5% para Estados
Unidos. Um ganho adicional de rentabilidade nos próximos meses, portanto, prevê
o economista, poderá ser gerado por essa recuperação de preços.

A Argentina é um destino também visto com boas perspectivas para este ano, diz
Branco. Os ganhos com as exportações deverão trazer maior espaço fiscal ao país
vizinho, o que facilitará os embarques brasileiros para os argentinos,
acredita. ‘Argentina e Estados Unidos são parceiros importantes para a
exportação de manufaturados.’

José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil
(AEB), é menos otimista. Ele não vê grandes perspectivas para elevação de
rentabilidade em 2013 por causa da recuperação de preços de exportação.
‘Se estivermos falando de commodities, é possível, mas não acredito nesse
ganho em manufaturados’, diz.

‘Não se pode esquecer a alta concorrência’, diz Castro. Para ele, um
recuperação da demanda internacional será acompanhada de uma disputa acirrada
pelos fornecedores. No caso da Argentina, por exemplo, não se sabe se uma maior
abertura às importações beneficia o Brasil ou o fornecedor chinês.

Castro estima que em 2013, ‘na melhor das hipóteses’, a taxa de
rentabilidade do exportador brasileiro deve permanecer a mesma do ano passado.
Na média, portanto, não deve haver ganho em relação ao ano passado.

As exceções ficam por conta de produtos que prometem recuperar o preço em 2013. O
minério de ferro é o exemplo mais evidente. No ano passado o preço do minério
caiu 25% em relação a 2011, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria
e Comércio (Mdic). Para este ano, calcula Castro, a elevação de preço do item
deve ficar entre 15% e 20%. ‘A soja também promete uma recuperação de
preços, mas o ganho de rentabilidade depende da evolução do valor do
frete.’ (MW)

Leia mais em:
http://www.valor.com.br/brasil/2995514/cambio-faz-exportacao-ser-5-mais-rentavel#ixzz2K20AK5cw

Leave a Reply