Nesta semana terminam dois períodos importantes para as eleições: a janela partidária e o prazo de desincompatibilização. Com isso, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a troca de dez ministros que deixam os cargos para disputarem as eleições deste ano. Para comentar esse e outros assuntos, trazemos neste episódio nossos consultores Fernanda César, Leonardo Nunes, Nicholas Borges e Vinícius Teixeira.

Na lista dos que deixam as pastas estão a ministra Damares Alves, do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos; Tarcísio de Freitas, de Infraestrutura; Onyx Lorenzoni, do Trabalho e Previdência; Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia; Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional; Tereza Cristina, da Agricultura; Flávia Arruda, da Secretaria de Governo; João Roma, da Cidadania; Gilson Machado, do Turismo; e Braga Netto, do Ministério da Defesa. Todas as mudanças acataram a vontade do Presidente Bolsonaro e os novos ministros são nomes que já faziam parte de suas respectivas pastas ou que eram de órgãos ligados aos ministérios.

Nossos consultores comentam como essas mudanças vão impactar as próximas eleições, além de analisarem as trocas partidárias que ocorreram entre esses nomes. A maioria se filiou ao novo partido de Bolsonaro, o Partido Liberal (PL).

Também neste episódio, você vai entender os impactos de movimentações importantes envolvendo o valor dos combustíveis. Após vários aumentos, o Governo anunciou mais uma troca no comando da Petrobras. O presidente Joaquim Silva e Luna será substituído por Adriano Pires, fundador do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE). No Legislativo, a Comissão Mista de Orçamento aprovou o Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 2/22, que permite a redução de tributos sobre o diesel e o gás sem necessidade de compensar a perda de arrecadação. A proposta segue para votação do Plenário do Congresso e nossos especialistas explicam quais os efeitos políticos e econômicos são esperados a partir dessas mudanças.

Por fim, com o avanço da vacinação e a diminuição nos casos e mortes por COVID-19, o Ministério da Saúde já sinaliza flexibilizações nas medidas sanitárias, como a exigência da declaração de saúde de viajantes e a obrigatoriedade do uso de máscaras em repartições públicas. Apesar disso, o ministro Marcelo Queiroga afirmou que não pretende decretar o “fim da pandemia” de COVID-19 no Brasil nos próximos dias.

Confira a análise dos nossos especialistas neste episódio!

Leave a Reply